● Le Papier Shine On: Order XIII - 4.ª Parte

06 maio, 2016
A noite aproximava-se a passos largos enquanto o rugido do Mustang ecoava no porto de Aveiro e o solo de guitarra de Highway Star era bruscamente interrompido agora que a viagem de Papier e MoonShine chegara ao seu destino.
Os jovens procuraram no horizonte mas não havia sequer sinal do cargueiro de Craft, o que levou a que Moon, profundamente irritada consigo própria, decidisse procurar por informações aos guardas do porto, não se importando com o uso ou não de violência... Papier falava calmamente ao telemóvel e mal se virou, a jovem havia desaparecido...

Papier procurou por Moon, seguindo o rasto de guardas em sofrimento ou simplesmente inconscientes, até eventualmente a encontrar a interrogar um homem que gemia como uma criança a ser castigada... O jovem colocou a mão no ombro de Moon e disse-lhe que não valia a pena, e tal gesto retirou-a do estado de fúria em que está se encontrava, e acabou por soltar o indivíduo enquanto olhava em choque para as suas mãos manchadas de sangue...
Papier agarrou-lhe as mãos e limpou-as com cuidado e afagou-lhe a cabeça, garantindo-lhe que eles não iriam desistir de Zack e a jovem acalmou-se por fim. De seguida, Papier planeava não assustar o traumatizado guarda, que certamente já tinha sofrido o suficiente para um dia, mas acabou por reconhecer o marido traidor que seguira na fatídica noite em que combatera MoonShine, e tal reencontro alterou os seus planos que passaram a incluir um interrogatório bastante sádico, não fosse Papier companheiro de Knox Park, especialista em torturas...
Moon sentiu-se muito melhor consigo própria depois de ver o que Papier havia feito para extrair informações ao pobre guarda... o que resultou em coordenadas de GPS do suposto destino de Craft. O jovem reconheceu o espanto no seu rosto e retorquiu simplesmente que ele mereceu o tratamento, e ambos saíram dali por fim.

Correram para próximo do Mustang e Papier pô-lo a trabalhar, ligou todas as luzes, tornando-o numa espécie de mini-farol, e fazendo-o rugir de forma ensurdecedora, que deixou Moon num estado de confusão total, enquanto Papier apenas lhe sorriu e estendeu o polegar numa pose de "nice guy" que ela achou assustadora... Moon ainda tentava esquecer a expressão arrepiante de Papier quando sentiu uma corrente de ar fortíssima seguida de um foco de luz que quase a cegou. Quando deu por si Papier estava ao seu lado e o carro estava de novo parado mas o Porto não estava menos silencioso...
Acima deles estava um helicóptero da N.O.V.A. Corp. que pousou ao lado deles e dele saiu uma mulher extremamente elegante que Moon reconheceu como Cristina Maxwell, a presidente da N.O.V.A., uma das mais avançadas empresas no ramo da tecnologia, que se tornou numa grande aliada de Papier desde que Cristina tomou o comando, e que o jovem contactara havia pouco tempo.
Papier cumprimentou-a e apresentou Moon, agradecendo em seguida a ajuda. Cristiana mostrou-se feliz por ajudar no que fosse necessário e desejou boa sorte para o resgate de Zack.

Papier inseriu as coordenadas GPS no aparelho, e estas apontavam para o que aparentava ser um pedaço de nada no meio do oceano e dirigiram-se para lá a toda a velocidade, mas nada os podia preparar para aquilo que encontrariam à chegada.
Uma enorme ilha de pedra angular negra coberta do que aparentava serem algas surgira no meio do mar revolto, e Papier e Moon associaram imediatamente tal aparência ao pilar negro que a Ordem encontrara...
E claro que o cargueiro de Craft estava aportado numa pequena baía, com os seus soldados em grande azáfama... E vislumbraram por fim o seu objectivo! Zack estava amarrado ao pilar negro, coberto de sangue e aparentemente inconsciente... O sangue dos jovens ferveu! A hora tinha finalmente chegado... O resgate de Zack Thunder iria iniciar-se!


A situação em que se encontravam não permitia estratégias muito diversificadas, mas tanto Papier como Moon sabiam o que havia a ser feito, por isso desceram rapidamente até à ilha, onde foram recebidos por um comité de boas-vindas composto por um grupo de soldados que foram imediatamente derrotados. Inimigos daquele nível não iriam fazer mossa e Papier sentiu-se insultado pela leviandade de Craft em recebê-los daquela forma. Mas Craft não era ingénuo e como os jovens descobririam brevemente, os problemas estavam apenas a começar.

O chão sob os seus pés tremeu com violência e os jovens sentiram a pedra a erguer-se e a geografia à sua volta a alterar-se. Correram rapidamente à procura de Craft enquanto derrotaram agentes dos SOMBRA claramente confusos com o que se passava naquele local quase alienígena...
Subiram uma colina angular e deram com o restante exército da Ordem a aguardá-los tranquilamente. Entre eles encontravam-se agentes SOMBRA que traíram a liderança de Black, bem como agentes da Divisão ARM, certamente com a consciência alterada pela Despair de Craft. A Ordem XIII era bastante numerosa, com membros selectos da elite mundial. Os soldados abriram um corredor e o seu Líder surgiu por fim para enfrentar os adversários. O seu rosto pálido e encovado como um espectro concentrou-se em Papier e Moon.

A lua esquivava-se por entre as nuvens e o seu luar tornou perceptível o cerco feito aos jovens, que se encontravam cercados por todos os lados. Craft pareceu sorrir mas o seu rosto fantasmagórico não permitia dar essa certeza. Papier olhou para Moon e acenou-lhe em aprovação e então, com toda a certeza, sorriu aos inimigos.
A lua estava agora totalmente visível e brilhou nas lâminas da Ultima de Papier bem como na Eclipse de Moon que já se encontravam desembainhadas. Este sinal de resistência à Ordem provocou uma chuva de balas vindas dos céus sombrios e uma frota de helicópteros silenciosos tornou-se visível.
De um deles caiu algo em velocidade para o solo e os agentes que estavam nas proximidades do objecto gritaram de dor antes de serem esquartejados... Shade chegara ao campo de batalha e com ele a verdadeira SOMBRA...

A chegada dos SOMBRA trouxe um novo caos à ilha, mas a batalha estava ainda no início. Os soldados fiéis a Black aglomeravam-se atrás de Shade mas mantiveram-se imóveis, como se esperassem ordens. Um único helicóptero pousou no planalto e uma rampa abriu para dar lugar à saída dos NeroSlayers, a escolta de Roland Black, que abriram caminho ao seu Líder.
Black avançou numa cadeira de rodas e com o rosto e parte do torso coberto de ligaduras, mas nem por isso perdeu a imponência. Falou com voz firme e dirigiu-se aos seus agentes, a declarar o fim da Organização SOMBRA. A perplexidade foi total, mas Roland ainda não tinha terminado. A última missão de todos os agentes fiéis a si era aniquilar todos os traidores e destruir completamente a Ordem XIII. Para isso todos deviam seguir a liderança de Shade, Papier e Moon. Este foi o último pedido de Black, como Líder da Organização SOMBRA.

Depois do choque e com a motivação dos aliados em alta, Shade conduziu os agentes rumo à batalha, e Papier reconheceu rostos extremamente importantes junto aos SOMBRA: AK-07 e Knox pareciam ter recuperado a consciência e trouxeram com eles Valliachi e Mallow, completando os 4 Horsemen, que avançavam no terreno aliados aos NeroSlayers, formando uma equipa temível para qualquer oponente.
Completamente confiante com o rumo da batalha, Papier e Moon seguiram rapidamente em busca de Craft, que desaparecera, e de Zack, que haviam perdido de vista quando a forma da ilha se alterou. Decidiram subir ao ponto mais alto da ilha, que continuava a sofrer terramotos, e foi no topo que encontraram os dois: o objectivo e o némesis.

Zack continuava inconsciente e num estado quase inconcebível, tendo perdido uma grande quantidade de sangue. Craft não se mostrou surpreendido por vê-los e o seu rosto contorceu-se enquanto manejou a sua Despair com violência contra o espaço vazio à sua frente.
Feito isto, a realidade quebrou-se e uma fenda abriu-se à frente dos jovens, que ligava este Universo a outro lugar que Papier reconheceu imediatamente como Gaia, o Submundo Demoníaco. Um uivo assombroso deu lugar a um vulto enorme que emergiu da fenda e, como um fantasma, surgia agora um enorme Lobo Demoníaco pronto a enfrentar os jovens - a Besta Fenrir.

Um novo uivo monstruoso e o clima transformou-se completamente. Nuvens negras de trovoada formaram-se, trovões rugiram e a lua tornou-se vermelha como sangue, a pulsar em sincronia com os olhos escarlates de Fenrir.
Papier estava visivelmente nervoso e levou a mão ao peito, pronto para usar a sua arma secreta, mas Moon parou-o. Ela encarregar-se-ia de derrotar a Besta, ou pelo menos ganhar tempo para que Papier eliminasse Craft. Até agora ela apenas conseguira seguir o jovem, sem nunca se sentir verdadeiramente útil na batalha, e isso iria mudar agora. A vontade de salvar o pai era total e Moon não se limitaria a assistir.
Papier compreendeu perfeitamente os sentimentos de Moon e não seria ele a quebrar o seu orgulho. Limitou-se apenas a aconselhá-la a não perder o sangue frio, pois se ela se mantivesse fiel a si própria, sem nunca desistir, ela não iria apenas derrotar Fenrir, iria conquistar a Besta... Ele sabia do que falava... Moon não compreendeu inicialmente o que o jovem lhe estava a confidenciar, mas agradeceu a confiança.
Papier avançou determinado sem se preocupar com a Besta nem sequer olhar para trás, pois se o fizesse poderia não conseguir tomar a mesma decisão... Sem ter notado, os seus sentimentos em relação a Moon eram agora enormes e foi com o coração apertado que deixou que Fenrir rosnasse para si, apenas para que Moon lhe cortasse o caminho e mostrasse que seria ela a enfrentá-lo.
Moon era acima de tudo uma verdadeira guerreira, filha do seu pai, e Papier quase se esqueceu disso… tão empenhado em protegê-la, iria agora confiar nela, até porque não se podia dar ao luxo de se preocupar... iria enfrentar um oponente terrível... Craft.


Papier avançou determinado e atacou Craft com tudo logo de início! Já tinham perdido demasiado tempo e o estado de Zack era extremamente instável, pois continuava a perder sangue. Preso naquele maldito pilar, o seu rosto tornava-se mais pálido a cada minuto que passava, mas Papier não estava apenas preocupado, como também intrigado pela atitude de Craft... Este deixou todo o seu exército a combater as forças SOMBRA e ficou sozinho, tal a confiança que o seu plano seria completo. O facto de conseguir abrir portais para Gaia era um poder assustador, mas se Papier o pressionasse sem cessar ele não poderia dar-lhe uso e o jovem queria acabar a luta tão rapidamente quanto possível.
Tal não se revelaria fácil, pois apesar das aparências, Craft era incrivelmente forte. Provavelmente dopado pelo uso abusivo que fez da Despair, o seu poder continuava a aumentar, mas Papier desconfiava que na mesma proporção que este crescia, o seu corpo deteriorava-se, porém não estava em condições de esperar que tal acontecesse.
Os ataques sucediam-se e a luta equilibrava-se cada vez mais, à medida que Craft ia perdendo a humanidade para a Arma, vendida em troca de mais poder.

Moon atraiu e afastou Fenrir do planalto onde Papier e Craft lutavam, com receio que a movimentação da Besta pudesse causar mais danos a Zack, mas a sua missão não se tornou mais fácil. Fenrir atacava-a ferozmente enquanto uivava fantasmagoricamente e a jovem tentava esquivar os seus ataques como podia.
Os olhos de Fenrir pulsavam de raiva, claramente irritado por ter sido retirado do seu mundo, e Moon usava toda a sua agilidade para defender ao máximo e contra-atacar quando possível. A Besta prateada pressionava-a constantemente e apesar do seu tamanho era extremamente rápida. Moon usava as poucas e raquíticas árvores que tinha à sua volta para tentar confundir Fenrir enquanto atacava aos poucos com a Eclipse.
Eventualmente conseguiu arremessar a Arma e ferir Fenrir numa pata dianteira, mas ao recuperar Eclipse notou que apenas causara um arranhão na Besta... Este microssegundo de hesitação foi aproveitado por Fenrir para a chicotear com a cauda e atirá-la ao chão para ser atacada novamente e com extrema violência. Apenas os seus reflexos quase inumanos a salvaram... Começava a perder o fôlego…

A luta entre os exércitos SOMBRA e a Ordem XIII aproximava-se do fim a passos largos. Shade aumentou consideravelmente o ritmo da chacina ao ouvir o uivo de Fenrir e com o apoio dos seus NeroSlayers e dos 4 Horsemen, a batalha tornou-se mais fácil. O General Zed liderava as forças da Ordem e o objectivo tornara-se fazê-lo recuperar a consciência e assim deixar os adversários órfãos de liderança e prontos para aceitar a derrota, e tal momento estava a aproximar-se a passos largos…

Entretanto a luta entre Papier e Craft tornara-se ainda mais intensa. O Líder da Ordem batalhava-se como um Mestre e os seus ataques eram extremamente violentos e tal reflectia-se nas várias feridas que Papier exibia.
O jovem estava bastante impressionado com a resiliência de Craft, que não lhe permitia a luta rápida que pretendia, e o tempo de Zack escasseava... Pelo menos, era o que Papier pensava... Mas um novo terramoto, este bem mais longo e violento alterou todo o cenário da batalha.

Craft estava com um olhar completamente alucinado e no seu rosto impregnado de loucura definiu-se um claro sorriso, enquanto este clamava pelo seu senhor. Voltou-se para Papier e ao notar o olhar algo confuso do jovem, permitiu-se um acto de vaidade e explicou-lhe que Cthulhu estava aprisionado naquela ilha em que se encontravam. O pilar negro funcionava como uma chave, mas apenas quando coberto pelo sangue de um homem justo. A captura de Zack serviu para esse efeito, mas para quebrar o selo que pendia sobre o ser das trevas era necessário derramar mais sangue humano e apenas com esse propósito foi permitido a Papier e ao seu grupo pisar aquele solo profano... A batalha estava a ser terrível, por isso mesmo o despertar de Cthulhu aconteceu mais rapidamente do que Craft planeava...
Após dizer estas palavras, gemeu de dor e cuspiu uma grande quantidade de sangue. O poder de Despair cobrava a sua dívida, mas Craft não se arrependia minimamente, pois o seu plano estava concluído e Cthulhu iria erguer-se por fim.

Com Craft naquele estado, Papier limitou-se a arrancar a Arma das suas mãos e destrui-la, o que, em princípio, faria com que todos os afectados pelo seu poder voltassem à normalidade. A terra ainda tremia quando Shade o alcançou, visivelmente preocupado com o desenrolar dos acontecimentos. Papier não tinha tempo para lhe explicar tudo e a situação tornou-se incomportável quando uma mão gigantesca quebrou o solo e um rosto tenebroso coberto de tentáculos surgiu em seguida. Não havia escolha para os rivais senão combater aquele mítico terror.
Papier e Shade invocaram as armas secretas Bahamut e Odin para combater fogo com fogo infernal numa batalha que poderia ser a sua última.


Cthulhu estava por fim no nosso mundo e foi com um rugido de satisfação que as suas escamas sentiram o luar assim que abriu as suas enormes asas de morcego e levantou voo. Bahamut e Odin seguiram-no para os céus e a Batalha entre as Bestas e o Deus teve início.
Papier apressava-se para soltar Zack quando sentiu alguém aproximar-se a correr. O seu rosto iluminou-se ao ver MoonShine e os dois abraçaram-se, mas rapidamente foram chamados por Shade. Zack esperava o resgate. Os jovens soltaram-no por fim e verificaram que ele estava ferido gravemente mas ainda vivo, o que se traduziu num grito de momentânea alegria, que foi cortado no instante seguinte pelos sons da batalha acima deles. Entretanto e com a missão concluída, pois a destruição da Despair trouxe por fim alguma razão a toda a loucura que se espalhava, começaram a chegar reforços liderados pelos 4 Horsemen.
Papier pediu a AK que levasse Zack e o tratasse com a máxima urgência e pediu a todos que evacuassem a ilha imediatamente, pois a ameaça de Cthulhu era algo completamente diferente de tudo o que já enfrentaram. O pedido alargou-se a MoonShine, que rapidamente o rejeitou, mantendo-se inflexível na sua decisão.

As Bestas continuavam a combater, mas era óbvio que Cthulhu estava a dominar o combate e tinha uma enorme vantagem nos céus. Não demorou muito até que Bahamut fosse golpeado com enorme violência e caísse desamparado no chão. Papier nunca o vira em tamanha dificuldade, mas Moon não se mostrou impressionada pela monstruosidade de Cthulhu e aproximou-se do Deus que se desembaraçara também de Odin e tirou uma pequena pedra azul do bolso. Papier sorriu ao reconhecer o tipo de gema que a rapariga segurava... Ele manteve a esperança que Moon conseguiria e via-a agora ser recompensada.

Moon suspirou e atirou a gema ao chão despedaçando-a. No mesmo local surgia agora Fenrir, agora muito menos violento, domado pela coragem e determinação de Moon que o conquistou.
Bahamut e Odin reergueram-se, possuindo a mesma resiliência dos seus Mestres, e avançaram em direcção ao inimigo, tal como Fenrir, que com apenas um olhar da Mestra soube o que tinha a fazer e a Trindade das Bestas uniu-se contra o Deus Cthulhu.

As três Bestas atacaram como uma só, coordenadas como se o tivessem feito desde sempre, visando os pontos mais sensíveis de Cthulhu. Fenrir descreveu um círculo à sua volta, atacando-o pelas costas e cravou-se violentamente no seu pescoço, imobilizando-o, Odin aproveitou para carregar o monstro e apunhalá-lo profundamente no peito, Bahamut finalizou a combinação, agarrando-o com toda a força nas enormes asas, deflagrou as suas chamas escarlates no Deus que rugiu de dor, elevou-o às alturas e arremessou-o sem piedade de volta ao chão de tal forma que a queda provocou um tremor trovejante e criou uma imensa cratera.

Cthulhu levantou-se sem ferimentos, mas extremamente furioso, e a sua raiva destruidora tornou-se num ensurdecedor rugido que resultou numa chuva de relâmpagos que se abateu sobre eles, seguido da formação de tornados que deixaram o mar revolto e incontrolável... Cthulhu parecia verdadeiramente invencível e os jovens começavam a perder a esperança, até que foram cumprimentados por dois velhos conhecidos: Kaiser e Alex.
Uma réstia de esperança ressurgia, pois Kaiser declarou ter conseguido descobrir uma forma de voltar a fechar o selo de Cthulhu. Precisava de alguns minutos para preparar tudo mas depois disso era necessário empurrar o monstro para o abismo criado durante o seu despertar. Era a única forma de vencer.


Kaiser pôs-se imediatamente ao trabalho e os jovens comandaram as Bestas, visivelmente mais fracas contra o monstro, o que tornou a luta completamente desequilibrada.
Alex ajudou e enviou o seu Chaos para ajudar, mas a fúria cega de Cthulhu parecia imparável. Papier decidiu que para que conseguissem vencer não podiam simplesmente confiar nas suas criaturas, tinham que ajudá-las no combate. Moon e Shade não viram grande escolha e avançaram em conjunto.
Os três atacaram em conjunto as pernas de Cthulhu numa tentativa desesperada para o desequilibrar e as suas Bestas, ao sentirem a presença dos Mestres a combater em conjunto reagiram de uma forma que Kaiser nunca antes presenciara... Os seus corpos começaram a brilhar intensamente e mutaram para uma nova forma, maior e mais poderosa, o seu último trunfo!
Kaiser estava boquiaberto, mas tinha de continuar a sua missão, e passados alguns segundos o selo estava pronto para ser encerrado.

Papier, Moon e Shade montaram as Bestas e atacaram Cthulhu, que percebeu as intenções dos jovens e tudo faria para as evitar. Moon e Fenrir placaram, Shade e Odin esquartejaram e Bahamut carbonizou, mas tal não foi suficiente e Cthulhu contra-atacou afastando as bestas violentamente, que foram travadas por Chaos que as reergueu. Para acabar de vez com a luta, Moon e Shade combinaram o ataque, pegaram em Papier e projectaram-no fortemente contra Cthulhu e por fim o esforço surtiu algum efeito, pois o golpe da Gunblade arrancou-lhe alguns tentáculos do rosto e destruiu o seu olho direito, resultando num grito monstruoso de dor.
Este era um momento que tinha de ser aproveitado ao máximo, por isso Fenrir abocanhou o pilar negro e atirou-o a Bahamut que o usou como uma enorme estaca para empalar Cthulhu, que cambaleou enfraquecido. Num último ataque em conjunto, as três Bestas carregaram sobre o monstro, empurrando-o para o abismo e Kaiser começou o processo de selamento. Craft, que neste momento era apenas uma casca de si mesmo, tentou salvar Cthulhu e acabou também ele por cair e seguir o seu Deus.

A fenda estava fechada e Cthulhu derrotado, mas ainda não era tempo de festejar… Kaiser alertou que a ilha iria submergir de novo, logo tinham de sair dali com a máxima urgência. Felizmente, Black manteve-se na ilha, confiante que o grupo venceria, e com ele estava Zack Thunder, ainda muito enfraquecido, mas de pé e ansioso por ver a filha e os pupilos sãos e salvos. Moon abraçou-o com gentileza num gesto que demorou uma década a acontecer… No que dependesse dos dois, tal não se voltaria a repetir.
Saíram dali sem olhar para trás e Papier colocou Shine On You Crazy Diamond a tocar com volume no máximo, enquanto o temporal de relâmpagos e tornados engolia R’lyeh num espectáculo terrível, de volta para o esquecimento profundo de onde nunca viria a regressar…


A traição da Ordem XIII causou várias mudanças ao redor de todos os personagens, entre eles o fim da Organização S.O.M.B.R.A. tendo Roland dispersado todos os seus agentes, muito embora os NeroSlayers se tenham mantido ao seu lado, liderados por Shade. A Divisão A.R.M. da Interpol também foi desfeita por Zed e os 4 Horsemen separaram-se.
Papier continua a manter a Agência de Investigação Grand Chaos, embora mais uma vez o trabalho se resuma quase na totalidade a problemas do foro conjugal...
Moon passou a visitar Papier imensas vezes, muito para desconforto de Zack, que previa o que vinha por aí e não era grande fã, pois eventualmente a jovem decidiu ficar com Papier e os dois juntos tornaram-se na força mais badass de combate aos delinquentes que ousavam desafiá-los... e num casal muito apaixonado…

No fundo, o destino de todos fora traçado, mas nem algo como o destino poderia limitá-los, nem tão pouco o céu seria o limite para as suas aventuras que não iriam terminar…


Comentários
2 Comentários

2 Comentários :

  1. Room401 disse... :

    Brutal!! Final perfeito ;)

  1. Denim disse... :

    ESpetacular SNC! Papier 4ever

Enviar um comentário

Não se esqueçam de deixar as vossas opiniões, porque há sempre uma palavra a dizer, por mais pateta que possa parecer! xP

 
The Grand Chaos © 2012 | Ready To Rock